Cirurgia bariátrica é a melhor saída para a obesidade?

Fonte: O Estado de S. Paulo – 26/03/2016

Mudanças alimentares e a prática de atividades física ainda são os caminhos mais efetivos contra a obesidade

Por Luciana Kotaka

Estava aqui pensando em como escrever esse texto, pois esse assunto mexe muito comigo. Sinto uma grande angústia quando recebo algum paciente decidido a se submeter à cirurgia bariátrica.

Há anos decidi não trabalhar com a pós-cirurgia, uma decisão baseada em convicções pessoais, pois apesar de estudar muito sobre o assunto e trabalhar com sobrepeso/obesidade, ainda não acredito nos benefícios reais a longo prazo.

Talvez algumas pessoas não aceitem meu ponto de vista, afinal para muitos livrar-se do peso que a obesidade representa é uma libertação. Há pouco tempo encontrei uma paciente que fez a cirurgia e é inegável a diferença, a pessoa renasce. Somente quem está na situação de carregar um peso excessivo no corpo sabe a dor que enfrenta diariamente, isso é inegável, mas confesso que apesar de saber que existe o direito de escolha, ainda assim não acredito ser esse o caminho.

É preciso tentar perder peso e quando digo isso estou afirmando que muitas pessoas não tentaram de verdade, isso é fato. Quando entrevisto pacientes e começo a avaliar a história de vida, fica claro que as tentativas foram pequenas, de curta duração. O desânimo, a falta de motivação os faz desistirem dos caminhos convencionais que a meu ver, ainda são os mais efetivos.

Não estou errada, aliás, é só pesquisar que verão que uma grande parcela dos gastromizados voltam a engordar e comer tudo o que comiam antes, ficando claro que não houve mudança comportamental e alimentar. São poucos os que realmente mudam efetivamente. Vemos casos de pessoas que se tornaram atletas na pós-cirurgia, que se empenham por consumirem alimentos saudáveis, que deixaram de lado as comidas que não oferecem saúde. Mas infelizmente são poucos.

Minha intenção aqui é somente um alerta. Pesquise, converse com diversas pessoas que fizeram a cirurgia, com as que emagreceram efetivamente e as que voltaram a engordar. Conversem também com quem perdeu peso somente com mudança comportamental e alimentar, avalie.

Procure artigos médicos sobre o assunto e só depois decida o caminho a ser seguido. Qualquer que seja o caminho escolhido irá exigir de você mudanças, empenho, determinação, então por que não escolher o caminho que com certeza não oferecerá riscos?

Fica a reflexão.

Veja também

CFM: Governo gasta R$ 3,89/dia na saúde de cada br... Fonte: Jornal Monitor Mercantil Os governos federal, estaduais e municipais aplicaram, em 2014, por dia R$ 3,89 per capita para cobrir as despesas ...
OMS recomenda o uso de preservativos por 6 semanas... Fonte: O Estado de S. Paulo - 10/05/2016 Entidade fez alerta a estrangeiros depois de perceber que risco de contágio por relações sexuais é maior d...
Um debate fundamental: como salvar a saúde no Bras... Fonte: Portal Exame - 21/09/2017 Uma boa gestão é o início do tratamento adequado para os problemas do sistema de saúde no Brasil, segundo concluír...