Judicialização na saúde suplementar

Fonte: DCI – 01/04/2016

Esse cenário não é interessante para ninguém. Esse é um fenômeno que deve ser superado

Pedro Ramos*

A economia é a ciência que trata do gerenciamento de recursos finitos. Sendo assim, a sustentabilidade só é possível quando há compromisso entre os envolvidos, para que não haja escassez de recursos. A lógica dos planos de saúde é a mesma. De acordo com o mutualismo, os mais jovens pagam para os mais velhos e necessitados terem acesso à saúde suplementar. Porém, um elo importante tem sido constantemente desrespeitado. Conforme dados do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), o setor sofre um intenso processo de judicialização. Somente entre 2011 e 2014 houve um crescimento de 60% no número de ações, superando 400 mil pedidos judiciais no período.

É inegável que todo cidadão deve requerer seus direitos, inclusive acesso ao melhor atendimento possível. É evidente, também, que esta interação deva acontecer dentro das devidas normas. As operadoras de saúde devem, além de cumprir as especificidades previstas em contrato, realizar a assistência de todos os itens previstos no rol de procedimentos e eventos da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS).

Afora isso, o atendimento é feito pelo sistema público.

E por que, então, a judicialização desenfreada continua a atingir o setor privado de saúde comprometendo ainda mais os recursos advindos de seus beneficiários?

A verdade é que, além de brechas legais, as operadoras de saúde são regulamentadas por uma legislação em constante mudança, o que dificulta sua operação. Além disso, ações na Justiça devem ser o recurso extremo na hora de fazer valer os direitos dos cidadãos. No entanto, são comuns situações onde o paciente já sai do consultório médico com a receita e o cartão do advogado que vai “aviá-la” no judiciário.

E por que este cenário é prejudicial ao mercado como um todo? Os recursos dos planos de saúde são finitos e, no caso da saúde suplementar, quem os provê é o próprio beneficiário. E quando há qualquer custo adicional, como por exemplo, para suprir o alto número de ações judiciais, o mesmo é repassado. Isso significa que, quanto maior a judicialização, mais caros ficam os planos de saúde. Este cenário não é interessante para ninguém. A judicialização é, portanto, um fenômeno a ser superado.

*Diretor da Associação Brasileira de Planos de Saúde (Abramge)

Veja também

Momento delicado Fonte: O Estado de São Paulo Por: Antonio Penteado Mendonça Crise traz custos aos planos de saúde, com usuários que antecipam tratamentos para a...
Operadoras de saúde acionam Justiça contra nova co... Primeiras decisões beneficiam as Unimeds de Rio Claro (SP) e de Curitiba Por Taís Hirata e Tatiana Vaz As empresas de planos de saúde questionam...
Inflação médica chega a recorde, e operadoras pede... Fonte: Folha de S. Paulo - 29/05/2017 Por Maria Cristina Frias A inflação médico-hospitalar, que em 2016 atingiu seu maior patamar da série hist...