Novos modelos assistenciais e seus impactos na cadeia da saúde suplementar

Fonte: Saúde Business – 12/04/2016

Por Nathalia Nunes

No Fórum ASAP 2016, que aconteceu na última semana, em São Paulo, um dos painéis discutiu a necessidade de mudança de modelos assistenciais para a sustentabilidade do setor de saúde suplementar.

Ana Maria Malik, Pesquisadora da FGV, ao apresentar um gráfico de expectativa de vida e gastos com saúde, mostrou que, por mais que o gasto per capita seja importante, o modelo de gestão e o modelo de assistência têm mais impacto positivo (e negativo) que o dinheiro investido.

No caso do Brasil, mostrou que a população conseguiu passar por todas as transições que a população de países desenvolvidos já passou, sejam epidemiológica, demográfica ou tecnológica, o setor de saúde não conseguiu evoluir no modelo de assistência à saúde.

Dentre os fatores que levam para a sustentabilidade e o desenvolvimento do setor, Malik citou três: informação, qualidade e mudança dos modelos. Os três seguem tendências mundiais e provam ser de impacto positivo na agenda das instituições.

Para Martha Oliveira, Diretora da ANS, os três pontos de grande importância são:

– a desconfiança entre os players do setor. “Isso impede o avanço. Enquanto não percebermos que estamos no mesmo barco e vamos afundar juntos, não tem jeito”;

– a informação: “em todos os níveis, desde qualidade e transparência até a facilidade de acesso a ela”;

– cultura da saúde: “começamos a falar para as pessoas que a tecnologia é bacana, nunca mostramos para as pessoas o valor da atenção primária, da importância da realização de um protocolo correto”.

Frederic Goldstein, Fundador e Presidente da Accountable Health e CEO da Population Health Alliance, cita que, nos Estados Unidos, 30% dos recursos investidos em saúde são perdidos por erros, fraudes ou abusos. Se refletirmos esta porcentagem para a realidade brasileira, o montante desperdiçado é enorme.

Martha ainda disse que “não vamos conseguir mudar baixando normas e portarias, vamos mudar se conseguirmos reestruturar” e encerra dizendo que o sistema de saúde está perfeitamente preparado para dar os resultados que dá hoje, ou seja, se quisermos ter outros resultados, precisamos ter outro sistema.

A discussão é válida em diferentes âmbitos, seja na liderança das organizações ou no governo brasileiro. A reestruturação do sistema de saúde brasileiro depende da colaboração entre os players do setor e, mais que isso, do entendimento de que todos são responsáveis pelos resultados que geramos.

Veja também

Cidade para os mais velhos Fonte: Folha de S.Paulo Por: Claudio BErnardes O envelhecimento da população mundial é fato. O fenômeno é subproduto da transição demográfica qu...
ANS e SENACOM divulgam segunda edição de boletim Fonte: ANS – 29/02/2016 Manutenção de planos para aposentados e demitidos é o tema do informativo A manutenção de planos de saúde para aposentad...
12,6 milhões de pessoas morrem todo ano devido a a... Fonte: APA - 21/03/2016 Uma estimativa de 12,6 milhões de mortes todos os anos são atribuíveis a ambientes insalubres, segundo um novo relatório da...