O problema de viver mais

Fonte: Exame – 16/03/2016

Por Leo Branco

Os países emergentes deverão sofrer os maiores impactos do envelhecimento da população em curso no mundo até o fim do século, segundo um estudo recente das Nações Unidas. Motivado pela combinação de queda de natalidade com maior expectativa de vida, o fenômeno deve pressionar o financiamento de sistemas de saúde e previdência.

Dos emergentes, o Brasil está entre os mais afetados: a proporção de adultos de 20 a 64 anos para cada idoso acima de 65 anos deverá cair 81% até 2100. Haverá um idoso para cada 1,5 adulto em idade produtiva – hoje, são 7,7 adultos por idoso. A proporção no Brasil será igual à da China, país que no ano passado aboliu a política do filho único diante da rápida transição demográfica. A queda será menor em países desenvolvidos que são tradicionalmente destino de imigrantes, como Estados Unidos e Alemanha.

longevidade

Veja também

Cirurgia bariátrica é a melhor saída para a obesid... Fonte: O Estado de S. Paulo - 26/03/2016 Mudanças alimentares e a prática de atividades física ainda são os caminhos mais efetivos contra a obesida...
Menos da metade das vagas para residência médica é... País tem quase 22,9 mil postos ociosos para esse tipo de formação, mostra estudo da USP com apoio de conselhos de Medicina; baixa qualidade dos cursos...
Para uma saúde eficiente Fonte: Folha de S. Paulo - 26/09/2017 Por Ricardo Barros* Cuidar da saúde de todos os cidadãos brasileiros é uma tarefa que exige compromisso co...