O problema de viver mais

Fonte: Exame – 16/03/2016

Por Leo Branco

Os países emergentes deverão sofrer os maiores impactos do envelhecimento da população em curso no mundo até o fim do século, segundo um estudo recente das Nações Unidas. Motivado pela combinação de queda de natalidade com maior expectativa de vida, o fenômeno deve pressionar o financiamento de sistemas de saúde e previdência.

Dos emergentes, o Brasil está entre os mais afetados: a proporção de adultos de 20 a 64 anos para cada idoso acima de 65 anos deverá cair 81% até 2100. Haverá um idoso para cada 1,5 adulto em idade produtiva – hoje, são 7,7 adultos por idoso. A proporção no Brasil será igual à da China, país que no ano passado aboliu a política do filho único diante da rápida transição demográfica. A queda será menor em países desenvolvidos que são tradicionalmente destino de imigrantes, como Estados Unidos e Alemanha.

longevidade

Veja também

Teste nos EUA aponta que vacina do Butantã contra ... Fonte: O Estado de S. Paulo - 17/03/2016 Instituto de Saúde americano inoculou o vírus vivo em humanos e nenhum dos imunizados foi infectado Por...
Pesquisa global de qualidade de vida e bem-estar A ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE QUALIDADE DE VIDA (ABQV) participa da PESQUISA GLOBAL DE BEM-ESTAR, como seu representante no BRASIL, que está na sétima ed...
Obesidade quase dobra entre os jovens em dez anos Fonte: Folha de S.Paulo O brasileiro tem iniciado mais cedo a guerra contra a balança. Em dez anos, a obesidade avançou em todas as faixas etárias,...