Plano de saúde: terceiro maior desejo dos brasileiros

Fonte: Segs

Os brasileiros estão diminuindo gastos e cortando custos por conta da crise econômica no País, mas quando o assunto é saúde, o quadro é diferente. De acordo com uma pesquisa recente realizada pelo Ibope Inteligência, os planos de saúde foram apontados como o terceiro maior desejo da população, ficando atrás apenas dos itens “educação” e “casa própria”.

De acordo com a análise, a nota média dada aos planos de saúde foi de 3,9 em uma escala de 0 a 5, e 75% dos entrevistados dizem estar “satisfeitos” ou “muito satisfeitos” com os serviços prestados por seus planos ou seguro de saúde.

Mas quando é hora de mudar? O que levar em conta na hora de renovar o plano de saúde? Ou como diminuir taxas e custos na contratação? Para Marcelo Alves, CEO da Célebre Corretora de saúde, a hora de mudar é quando o plano de saúde atual não atender suas necessidades. “Quando o plano estiver muito desatualizado, já com poucos credenciados conhecidos prestando atendimento ou quando sua necessidade financeira assim exigir, é melhor trocá-lo por um de menor abrangência ou com menor rede hospitalar do que correr o risco de perder o mesmo por falta de pagamento”, aconselha o executivo.

Nos casos de plano empresarial ou PME, Alves recomenda que dois a três meses antes do reajuste anual a empresa faça um levantamento de custos dos planos comercializados, levando em consideração a rede hospitalar, médica e laboratorial, além da situação financeira das operadoras. “Muitas vezes os reajustes recebidos na operadora de origem fazem com que o preço do plano seja muito superior aos comercializados atualmente”, diz ele. “Vale lembrar que para todo plano PME ou Empresarial hoje é exigido, por lei, que o cancelamento seja efetuado com 60 dias de antecedência, por isso é sempre bom contar com um corretor que também oriente ou auxilie o cliente nesta transição, para que o mesmo não fique sem cobertura e nem tampouco venha a ter que arcar com pagamento em duplicidade no mesmo mês do plano antigo e do plano novo”, complementa.

Veja também

12,6 milhões de pessoas morrem todo ano devido a a... Fonte: APA - 21/03/2016 Uma estimativa de 12,6 milhões de mortes todos os anos são atribuíveis a ambientes insalubres, segundo um novo relatório da...
Menos da metade das vagas para residência médica é... País tem quase 22,9 mil postos ociosos para esse tipo de formação, mostra estudo da USP com apoio de conselhos de Medicina; baixa qualidade dos cursos...
Estudo mostra que gasto do governo em saúde é de R... Fonte: Fantástico – 28/02/2016 Conselho Federal de Medicina revela investimentos do poder público. Salvador é a capital que menos gasta com a saúde...