Planos: Receitas e despesas em ritmo de desaceleração

Fonte: Segs

Embora mais equilibrado, setor sofre forte impacto da retração na atividade econômica e do desemprego

Análise da Federação Nacional de Saúde Suplementar (FenaSaúde) – entidade representativa de operadoras de planos e seguros de assistência à saúde –, com base nas demonstrações contábeis que as operadoras enviam regularmente à Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), aponta que, entre dezembro de 2014 e o mesmo mês em 2015, a taxa de crescimento da receita de contraprestações dos planos sofreu queda de 2,3 pontos percentuais, enquanto a despesa assistencial (composta por gastos com consultas, exames, internações, terapias e outros) também encolheu em 3,6 pontos percentuais. Em dezembro de 2014, o setor registrou aumento de 2,1% na base de beneficiários de planos de saúde, enquanto, no mesmo período de 2015, ocorreu contração de 1,9%. Portanto, todo esse quadro reflete, entre outros fatores, a deterioração da atividade econômica no país e, principalmente, a retração do mercado de trabalho formal e da renda nos últimos anos.

Outro ponto a destacar é que, embora essas duas rubricas tenham sofrido redução de expansão em 2015, a receita dos planos no país cresceu ligeiramente acima da despesa assistencial, alcançando um resultado mais equilibrado, diferentemente do que vinha ocorrendo nos anos anteriores. Na comparação com 2014, a receita de contraprestações aumentou 13,7%. Já a despesa assistencial subiu 13,4% no período. Esse cenário pode resultar de um ajustamento dos preços à realidade econômica ou na gestão dos riscos assistenciais, por exemplo renegociando com prestadores de serviços. Apesar disso, persiste a preocupação do setor e da sociedade com fatores como a escalada sempre acentuada dos custos, os elevados desperdícios no atendimento e a crescente judicialização, entre outros aspectos que impulsionam a inflação médica, com isso prejudicando o equilíbrio financeiro do sistema.

Despesa assistencial fechou em R$ 121,5 bi, enquanto gastos totais dos planos somaram R$ 147,5 bilhões.

Em números absolutos, a despesa assistencial do mercado de planos de saúde alcançou R$ 121,5 bilhões, em 2015. Já a receita de contraprestações chegou ao montante de R$ 148,3 bilhões.

Veja também

Afastamento de trabalhador por estresse aumenta co... Rivaldo Gomes/Folhapress Números do INSS indicam impacto da crise econômica na saúde mental de trabalhadores ÉRICA FRAGA MARIANA CARNEIRO ANA ...
Redução de custos em saúde Fonte: Segs Por: Ricardo Ramires Filho Um Modelo Acertado De Gestão Pode Reduzir Os Custos Na Saúde Em janeiro, um dos mais respeitados e con...
Custo assistencial das operadoras cresceu 53% em 5... Fonte: Revista Apólice/Segs A variação do custo assistencial das operadoras de autogestão foi de 53,2% no período de 2014 a 2010, de acordo com pes...