Possível derrubada de veto à lei do ISS preocupa empresas

Fonte: Folha de S. Paulo – 16/05/2017

Por Maria Cristina Frias

A possibilidade de que seja votada nesta semana a derrubada a um veto na lei que regula o ISS (Imposto Sobre Serviços) tem gerado preocupação entre empresas financeiras e de planos de saúde.

O trecho, vetado pelo presidente Michel Temer no fim de 2016, determinava que o ISS fosse recolhido no local de prestação do serviço, e não na cidade-sede da companhia.

O Congresso tem a intenção de marcar a votação para a noite desta quarta (17), mas não foi confirmada, segundo a assessoria do Senado.

A mudança seria um “pesadelo operacional”, afirma Ricardo Vieira, diretor-executivo da Abecs, que reúne empresas de cartões de crédito.

“Cada cidade tem um prazo, uma base de cálculo diferente, e seria preciso ter uma representação física em cada local”, diz o executivo, que esteve na segunda (15) em Brasília conversando com parlamentares sobre o tema.

A alta do custo operacional pode inviabilizar a prestação dos serviços em cidades pequenas, principalmente para companhias de menor porte, afirma o superintendente da Abramge (de planos de saúde), Francisco Wisneski.

Também seriam afetadas operações de leasing, consórcio e fundos de investimento.

A mudança no recolhimento atendia a uma demanda das prefeituras para ampliar sua arrecadação, diz o presidente da CNM (confederação de municípios), Paulo Ziulkoski.

Veja também

Abramge lança ‘Custômetro dos Planos de Saúde’... Fonte: DCI - 08/03/2016 A Associação Brasileira de Planos de Saúde (Abramge) lançou o Custômetro dos Planos de Saúde: painel virtual hospedado no s...
É preciso rever o modelo de remuneração da saúde s... Fonte: Portal Uol - 07/05/2016 Por Pedro Ramos* Em 2015, pela primeira vez desde o início da série histórica, o número de beneficiários de plano...
Ministro cita ‘receituário’ contra judicialização ... Fonte: Folha de S. Paulo - 07/09/2016 Por Angela Pinho O ministro da Saúde, Ricardo Barros, defendeu um “receituário” para os casos de judiciali...

Deixe uma resposta